Tristeza ou Depressão?

Jonas Yakamura - Mente em Transição
Não é normal uma pessoa “viver” uma rotina se sentindo triste.
Somos seres formados por sentimentos, desejos e emoções e muita das vezes, é sim, natural sentir-se para baixo, triste ou deprimido, seja por carência, saudade, perda de alguém especial ou qualquer outra coisa que não foi alcançado da forma que se esperava. Estes momentos de "tristeza" temporária são bons para nos avaliarmos, mudar o foco, acreditar mais em nós mesmos e melhorar o que deu errado. São ótimos momentos de reflexão. Todos passam por isso ou precisam ter aquele momento “sozinho” para pensar.


A tristeza é algo que todos já sentiram na “pele”, seja por algo que não conseguimos ou do citado acima, porém, se todos os dias se sente triste, não quer saber de nada e muito menos viver, não querendo progredir em relação ao fracasso, provavelmente você esteja com depressão.

A depressão não é um simples sentimento, é uma doença e deve se tratada de imediato, atingi grande parte da população, inclusive crianças e terceira idade. Percebe-se e nota-se que o indivíduo esteja com depressão se este sintomas de tristeza constante ultrapassar entre duas ou mais semanas sem nenhuma melhora no humor. Uma das maiores dificuldades é encontrar apoio, principalmente tratando-se de uma criança a qual para muitos pais não passa de “frescura, besteira”, é algo anormal e psicológico que se não for tratado pode agravar e em últimos casos, levar à morte.

Quais são os sintomas da depressão?

Existem vários fatores e sintomas a qual muitos podem ser confundidos com outros, tais como apenas tristeza, indiferença e baixa autoestima. A lista abaixo segue um dos principais:

Mudança no humor: Um dos principais sinais é a mudança no humor, a pessoa que “possivelmente” esteja com a depressão irá mudar seu humor drasticamente, como ficar triste, sentir uma indiferença, um desânimo em relação a muitas coisas ou a tudo. Se sente infeliz e incapaz de realizar qualquer coisa, se sentindo assim para baixo, tende com muita frequência a chorar em demasia, por qualquer coisa, o choro é frequente.

Mudança no apetite: A pessoa não sente mais aquele desejo de se alimentar, muito menos sente vontade de comer e questiona o porquê serve a comida, em outros casos, pode ter uma vontade intensa de comer excessivamente e consumir açúcar.

Mudança no seu peso: Devido sua baixa autoestima e mudança no apetite a pessoa tende a perder o seu peso ou aumentá-lo exageradamente.

Problemas no sono: A pessoa tende a não conseguir dormir direito, tem insônia ou ocorre o oposto, a pessoa tende a dormir em demasia, ficam horas na cama, seu único lugar é a cama, não sente vontade de se levantar, comer ou fazer coisas que até então era normal ou rotina, como escovar os dentes, tudo perde a graça.

Perda do interesse por algo prazeroso: A pessoa perde o interesse por atividades que até então era prazeroso e significativo para ela, por exemplo, gostava de sair e ir ao parque e agora, se é convidada para ir em algum lugar não sente ânimo e desejo, mostra desinteresse, talvez se estiver trabalhando não queira trabalhar e muito menos se importa com as coisas, sente que não vale a pena, pode perder o interesse parcial e total da relação sexual.

Cansaço excessivo: A pessoa se sente completamente cansada, sem força e vontade de nada, é como se tivesse ficado noites em claro. Pode dormir e ao acordar se sentir cansado, o cansaço faz parte da vida de um depressivo, motivo que se mostra desinteressado por qualquer coisa, por se sentir incapaz, um alto grau de fadiga, tais como levantar da cama ou trocar de roupa lhe torna algo cansativo. Este é um dois sinais que se nota em crianças e é desprezado pelos seus pais, como: “cansado do que, se não faz nada?”, “não faz nada, não trabalha e fica só na cama”. Estas atitudes prejudicam e aumenta mais a doença da pessoa, pois deixa claro para ela não vale nada, se considerando um inútil.

Desejo da própria morte:  Seus pensamentos só ficam voltados para sensação de indiferença, de pensamentos negativos, planos e mais planos para deixar esta vida, sente que ninguém irá notar sua falta (este é o principal motivo). Sua mente é só voltada para o suicídio, tais como, "Ninguém gosta de mim. Para que vou viver? Sou um inútil! Não faço nada certo! Para continuar? Meus pais tem razão, não faço nada, é melhor morrer...".

Tratamento da Depressão: Antes de tudo não se deve se desesperar por está passando por tais sintomas, como os citados acima, algumas vezes temos momentos que passamos e sentimos tudo isso, como a perda de um ente querido, por exemplo.

O tratamento é especialmente feito por profissionais altamente qualificados, por psiquiatras e psicólogos que devem acompanhar o rendimento e melhoras do depressivo, inclui também ajuda dos parentes e familiares para ajudar o indivíduo a mudar os pensamentos negativos e forma de interpretar a vida. O uso de medicamentos para reduzir a tristeza e choros *(anti depressivos). Alguns podem ter uma melhora dentro de 2 semanas, outros podem dependendo da situação, levar entre 5 meses e anos, por isso, não deve ser descartado a doença e sempre deve procurar um médico para medir e começar o tratamento em caso de tristeza constante mais de dias.

Lembre-se: A depressão não é um sentimento, é uma doença e quanto mais cedo o tratamento mais eficaz e rápido as melhoras do paciente.

Por Jonas Souza


Gostou? Compartilhe!